• Roberto S Inagaki

Gestão: Casamento é bom. Não quando se trata de consultoria com auditoria.

As vendas casadas são proibidas por lei (lei de defesa do consumidor), para que aqueles que acham que isto é exclusividade das empresas de internet, telefonia e TV por assinatura, recomendo que leiam o blog.

Caros leitores do blog Análise Crítica e cliente da Qualitas Consultoria.


Estou casado há quase 38 anos e garanto que muitos de nossos leitores devem ter o mesmo ou mais tempo de casado que eu, e todos devem concordar com a primeira parte do título deste artigo (pelo menos ao ler este artigo perto da dona patroa).


No relacionamento de um casal é muito difícil ou diria até mesmo impossível ser imparcial 100% do tempo. Existe o tempo juntos, as histórias, os parentes (a sogra) etc. Isto tudo faz com que haja muita cumplicidade no relacionamento.


A “venda casada”* no mundo dos negócios (produtos e serviços) além de imoral é ilegal, segundo a lei 8.137/90 e do código de defesa do consumidor. Isto acontece também no mundo no mundo do sistema de gestão. Como isto ocorre?


Existem duas maneiras:

1- Quando o organismo certificador “recomenda fortemente” que o consultor X seja chamado para dar consultoria, pois aí garante que o resultado será o esperado;

2- Quando o consultor diz que só trabalha com o organismo certificador X, que neste caso ele pode garantir o resultado do trabalho.

Este processo acaba criando uma dependência da organização com o consultor e com o organismo certificador, gerando a eterna dúvida: será que nosso Sistema de Gestão é a prova de quaisquer organismos de certificação? Será que conseguiremos manter o nosso sistema de gestão sem a presença eterna do consultor?


Quantas vezes eu já ouvi casos de empresas que reclamam sem parar do consultor e do organismo certificador, porém não tem “coragem” para mudar quaisquer um dos dois. Esta preocupação se deve ao temor da perda da certificação.


Este dueto de consultoria e organismo certificador “casado”, só serve para que os sistemas de gestão se tornem cada vez mais “iguais”, sem que se faça a distinção de organização para outra.

Os sistemas de gestão “iguais” de organização para organização é fruto de uma “venda casada” preguiçosa, que não quer ter trabalho, pois é muito mais fácil implementar e auditar o que já foi visto várias vezes.


O consumidor brasileiro já diz não para várias vendas casadas, tais como: comprar material escolar da escola, comprar guloseimas do cinema, empréstimos de banco com seguro de vida etc. Portanto restam às organizações também dizerem não à venda casada, consultoria-certificadora.


* Não mencionei neste artigo o caso ocorrido com a Arthur Andersen (consultoria e auditoria) e a ENRON, que culminou na Lei Sarbanes-Oxley senão iríamos nos estender muito no artigo. Mas se o leitor desejar poderemos reavivar este “case”.


Avaliação do seu Sistema de Gestão da Qualidade


1) Quanto você confiaria seu SGQ ser auditado por outros organismos certificadores?

a) 100%

b) 50%

c) Nem pensar


2) Se o consultor não acompanhar a auditoria o que acontecerá?

a) Nenhum estresse, pois o SGQ foi estabelecido, implementado e mantido pela organização de forma eficaz e com melhoria contínua

b) Algum estresse, pois parte do SGQ ainda é “cria” do consultor

c) Isto é impossível, pois a dependência do consultor é de 100%, inclusive a política somente ele sabe


3)As auditorias internas são realizadas por:

a) Colaboradores internos ou consultores diferentes da implementação do SGQ

b) O mesmo consultor que fez a implementação do SGQ

c) O mesmo auditor que fará auditoria de certificação


4) As validações das calibrações são realizadas por

a) Pessoal interno

b) Pessoal que realizou a calibração externa (venda casada)

c) Ninguém faz isto


5) Sempre que faço um contrato de consultoria em gestão procuro

a) Contratos diferentes – consultoria e auditoria (lembrando o que aconteceu com a Enron)

b) No mesmo contrato exigir uma auditoria independente

c) Não complicar muito e contratar tudo no mesmo pacote (consultoria e auditoria)


Se você escolheu a alternativa a) = 5 pontos, b) = 3 pontos, c) = 0 (é sim zero)

Portanto de:

25 pontos = Parabéns, você concorda com o tema do artigo

15 à 24 pontos = Em cima do muro

< que 15 pontos = Casou errado, vai ter problemas no futuro, se é que já não os tem






















































































































Patrocinadores:

Qualitas Consultoria é um dos patrocinadores do Blog Análise Crítica
Max Fix é uma das empresas patrocinadoras do Blog Análise Crítica, de Roberto S. Inagaki
Gold Silver é um dos patrocinadores do Blog Análise Crítica
Hidrosilo é patrocinador do Análise Crítica, blog de negócio de Roberto S. Inagaki
Logo Quimlab Soluções em Química.jpg
3DProcer é patrocinador do Análise Crítica, blog de negócio de Roberto S. Inagaki