• Roberto S Inagaki

Ferramentas da Qualidade: Ação preventiva e análise de risco, heróis sem medalha!

Não errei, ação preventiva é um requisito na IATF 16949, não mais na ISO 9001, porém existe a análise de riscos em ambas. O que isto quer dizer? Que medalhas serão dadas aos gestores prevencionistas?

Caros leitores do blog Análise Crítica.


A eficácia de um sistema de gestão, entre outros fatores, dependem das análises de riscos e oportunidades (prevenção). Todos entendem perfeitamente os benefícios trazidos pela prevenção, contudo, no momento de praticar o uso no dia a dia das empresas o cenário muda completamente. O grande problema está associado com o momento certo de realizar as ações identificadas na análise de riscos e oportunidades (preventivas). Sempre é um bom momento, isto pode ser feito a qualquer tempo. É um paradoxo: sempre pode ser feito, quase nunca se faz.


Muitas vezes as empresas se questionam quanto ao número de ações que devem ser identificadas antes de uma auditoria de certificação.


Uma resposta a essa questão poderia ser: "Tantas quantas forem necessárias para que a percepção do cliente melhore em relação ao produto ou serviço recebido". Uma boa parte das pessoas deve ter pensado em uma resposta similar, porém acreditamos também que esse discurso é mais bonito que a realidade dos fatos. Não é incomum encontrar organizações com um sistema de gestão da qualidade relativamente maduro e que, na véspera de uma auditoria, lista ações de redução de riscos para evidenciar uma prática inexistente. Em resumo, muitas dessas empresas ainda sofrem com os “processos” que tem um potencial de risco maior e não fizeram adequadamente a identificação de tais ações.


Afinal, por que é tão difícil fazer com que as pessoas pensem preventivamente nas questões da qualidade? Talvez por questões culturais, gerenciais, por valores ou personalidade. Talvez pela interação de todas as anteriores. Minha opinião é que as ações da análise de risco não desabrocham em algumas organizações, em grande parte, por problemas gerenciais. Vamos explicar por meio de alguns cenários e, para isso, vamos precisar da sua capacidade de imaginação para que vejam em suas mentes estas cenas (leia e feche os olhos para focar melhor as cenas):


Cena 1 - Prédio pegando fogo, fumaça, pessoas gritando, bombeiros arriscando suas vidas para apagar o fogo e salvar as vidas e propriedades, cenário cheios de ação, bravura, nervosismo, emoção, comoção etc.


Cena 2 – Sala silenciosa, apenas o ruído do aparelho do ar-condicionado, pessoas com a tarefa de selecionar materiais de difícil combustão, determinar a melhor localização de saídas e passagens, identificar todos os pontos possíveis de falhas, perigos e riscos, pesquisar e identificar problemas já ocorridos em outros locais, mesmo que para isto haja um custo adicional ou que prejudique um pouco a estética.


Em qual destes dois cenários ficaria mais fácil encontrar heróis? Em qual destes dois cenários você esperaria encontrar mais pessoas condecoradas?


Existem estes dois cenários dentro da sua empresa?


Cena 1 – Responsável pelas análises de risco e ações preventivas (IATF 16949) dentro da organização optou por utilizar a ferramenta FMEA para análise de riscos e identificação de ações preventivas. Estes estabeleceram uma sistemática de reuniões onde as pessoas se encontram para criar ou atualizar os FMEA’s de sistema, projeto e processo. As pessoas são de diversos departamentos, com experiências e vivências múltiplas.


Cena 2 – Reunião tumultuada, pressão para resolver uma grande devolução e seleção nas instalações dos clientes. É necessário deslocar vários funcionários para campo e fazê-los trabalhar durante 14 horas por dia inclusive nos finais de semana. Soluções devem ser dadas para a reposição das peças, inclusive qual o melhor retrabalho para as devolvidas, não há tempo para descobrir a causa de tudo isto. O melhor é deixar para descobrir a causa do problema depois quando houver mais tempo.


Em qual destes dois cenários ficaria mais fácil encontrar heróis? Em qual destes dois cenários você esperaria encontrar mais pessoas condecoradas?


Existem estes dois cenários dentro da sua empresa? Pois é, vamos trazer para a realidade de manufatura ou de serviços.


Reunião de FMEA (Fealure Mode Effect Analisys) se parece mais com qual cena?


Reunião de reclamação de cliente ou de parada de produção se parece mais com qual cena?


Durante as várias FMEA’s que realizei como gestor da qualidade, treinamentos e auditorias que avaliei nestes anos percebi o seguinte:


Alta direção: - “O FMEA é muito importante para a minha empresa, mas dá trabalho”


Equipe de FMEA: - “O FMEA é muito importante, porém não tenho tempo para fazer como deve ser feito”


Adicione tudo isto com a nova versão do manual harmonizado de FMEA AIAG-VDA (primeira edição de junho de 2019 – FMEAAV-1). O que eu tenho a fazer é: muita sorte para o gestor que cuida dos FMEA’s e que isto deve render mais artigos para meu blog.


Seja o primeiro a comentar ou compartilhar.


Quanto ao teste de conhecimento colocado no LinkedIn, a resposta correta é:


Qual a porcentagem da população mundial não tem comida suficiente para atender suas necessidades diárias?

Cerca de 11% - esta é a correta

Cerca de 23%

Cerca de 37%


Espero que tenham acertado.


Gostou deste post e da proposta do blog? Que tal o Análise Crítica? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre o Análise Crítica, clique aqui. E não deixe de nos acompanhar nas redes sociais – LinkedIn.

Patrocinadores:

Qualitas Consultoria é um dos patrocinadores do Blog Análise Crítica
Max Fix é uma das empresas patrocinadoras do Blog Análise Crítica, de Roberto S. Inagaki
Gold Silver é um dos patrocinadores do Blog Análise Crítica
Hidrosilo é patrocinador do Análise Crítica, blog de negócio de Roberto S. Inagaki
Logo Quimlab Soluções em Química.jpg
3DProcer é patrocinador do Análise Crítica, blog de negócio de Roberto S. Inagaki