• Roberto S Inagaki

Estratégia: Preço ou custo, qual a diferença?

Um dos 14 pontos de Deming é: Acabar com a prática do negócio baseado apenas no preço. Como muitos profissionais da área da qualidade não conseguem mostrar que isto é terrível para o sistema de gestão da qualidade?


Caros leitores do blog Análise Crítica e Qualitas Consultoria

Roberto S. Inagaki


Gostaria de começar com uma pergunta básica: você vai ao supermercado e percebe dois preços nas batatas, uma de R$ 4,50 e a outra de R$ 5,00. Qual você compra?


A resposta que eu ouço é: “depende”! No mundo real as pessoas compram a de R$ 4,50; porque é mais fácil comprar pela etiqueta (preço) do que comprar pelo custo. O custo dá mais trabalho, o preço é fácil! Basta olhar a etiqueta.


As pessoas têm muita dificuldade para distinguir as duas coisas: preço e custo.


Voltemos ao exemplo das batatas. Você compra as batatas e começa a preparação para esta se tornar um excelente purê. Ao final do processo de descascar e retirar as partes que não podem ser usadas por alguma razão, percebe que o peso daquele um quilo transformou-se em 700 gramas. A conclusão foi que o preço de R$ 4,50 acabou custando R$ 5,85.


A outra pessoa foi ao supermercado e as batatas de R$ 4,50 acabaram e ela comprou a de R$ 5,00 o quilo. Descascou as mesmas e sobraram 900 gramas. A conclusão foi que o preço de R$ 5,00 acabou custando R$ 5,50.


Este é um exemplo do 4º dos 14 pontos de Deming: acabe com a prática do negócio baseado apenas no preço.


Por que isto é tão difícil? Porque não quebramos as barreiras entre departamentos (9º ponto de Deming) e não fazemos corretamente a abordagem baseada por processos (ISO 9001).


O comprador de uma empresa, compra (as batatas) pela etiqueta (preço), a qualidade e a produção percebem o atendimento à especificação e a entrega dos insumos (prazo e característica das batatas).


O comprador recebe os parabéns por fazer o “saving”, comprando sempre produtos mais baratos.


A qualidade por sua vez não consegue fazer as contas (gerar os números) para mostrar que a batata de R$ 5,00 custa mais barato que a de R$ 4,50. Não conseguem desdobrar os custos da não qualidade para estes preços. A qualidade fica reclamando, reclamando e reclamando...


Se houvesse uma “real” abordagem por processos e não departamental, alguém de compras deveria juntamente com a qualidade e produção olhar as entradas e o resultado da saída.


Compreendem agora por que é mais fácil comprar preço e não custo? Compreendem agora por que ainda que as empresas certificadas em ISO 9001 elas ainda não atendem à ISO 9001?


Levantar o custo de algo dá trabalho mental, portanto muita gente não quer trabalho. O não querer trabalho leva as organizações a terem resultados cada vez piores...


Quanto ao teste de conhecimento colocado no LinkedIn, a resposta correta é:


Nos países de baixa renda ao redor do mundo, qual a porcentagem de meninas foi à escola até no mínimo 11 anos de idade (antes da pandemia)?

Ao redor de 20%

Ao redor de 40%

Ao redor de 60% esta é a correta


Espero que tenham acertado.


Gostou deste post e da proposta do blog? Que tal o Análise Crítica? Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário aqui. Para saber mais sobre o Análise Crítica, clique aqui. E não deixe de nos acompanhar nas redes sociais – LinkedIn.

Patrocinadores:

Qualitas Consultoria é um dos patrocinadores do Blog Análise Crítica
Max Fix é uma das empresas patrocinadoras do Blog Análise Crítica, de Roberto S. Inagaki
Gold Silver é um dos patrocinadores do Blog Análise Crítica
Hidrosilo é patrocinador do Análise Crítica, blog de negócio de Roberto S. Inagaki
Logo Quimlab Soluções em Química.jpg
3DProcer é patrocinador do Análise Crítica, blog de negócio de Roberto S. Inagaki